04 setembro 2017

O velho

Corri
Olhando pros pés, corri

Mas quando tropecei (inevitável)
e vi, ainda não era onde eu ia

Numa vidraça tinha um velho 
com pés descalços e inchados
O corpo já meio arqueado
com o peso de uma bola
(ora, um velho e uma bola!)
colorida de passado

E eu, que a essa altura
também já estava cansado
resolvi me escorar por ali



— João Otero - 4-set-2017 --

13 abril 2017

Diálogo poético com Michel Melamed

‘ponto': período pacífico, pausa pequena
pretiro permanentemente

‘dando': duas; dez; dezoito; declarações…
digo "dê!"

‘final' - ah... 

poeta paira, pensa…
perde-se

degladia-se
degringola

(não inventaram palavras)


foda-se


-- João Otero - 13-abr-2017 --

09 março 2017

relax

chuva dedilhando vidro
grilo em loop
o vento indo

folha branca,
eu brinco mudo

tempo parou
pra ver tudo

-- João Otero - 9-mar-2017 --

04 janeiro 2017

Melhores Filmes

  • Generos preferidos:
    • 1 - ficção
    • 2 - épicos
    • 3 - filme bom...
  • TEMÁTICOS
    • computação e empreendedorismo
      • A Rede Social
      • Piratas do Vale do Silicio
      • Jobs
      • Jobs (outro)
      • Hackers
      • tv: Silicon Valley
      • tv: Halt and Catch Fire
    • melhores filmes sobre manipulação psicologica e de grupo, e falta de caráter humano:
      • Compliance
      • Blindness
      • DogVille
      • The Wave
      • The Stanford Prison Experiment
      • Instinto (Anthony Hopkins)
      • Um Crime de Mestre (Anthony Hopkins)
      • Lord of the Flies
      • A Centopéia Humana
  • GUERRA
    • Black Hawk Down
    • Das Boot
    • A Caçada ao Outubro Vermelho
    • Top Gun
    • Lone Survivor
    • Patton
    • Comando para Matar (?)
    • Eye in the Sky
    • Atrás das Linhas Inimigas
  • ÉPICOS
    • Braveheart
    • 2012
    • Connan
    • O Senhor dos Anéis
    • 300
    • Tróia
    • Fúria de Titãs
    • A História Sem Fim
    • Padre
    • O Livro de Eli
  • FICÇÃO
    • Alien
    • Star Wars
    • Blade Runner
    • Prometheus
    • Alien Covenant
    • 2001 Uma Odisséia no Espaço
    • Matrix
    • Hackers
    • The War Game
    • O Exterminador do Futuro
    • Predador
    • Guerra dos Mundos
    • Jurassic Park
    • Inseption
    • AI
    • Minority Report
    • Robot & Frank
    • Vanilla Sky
    • Coherence
    • After the Dark
    • Interestellar
    • Maze Runner
    • D.a.r.y.l
    • Sinais
    • Cloverfield Lane
    • Perdido em Marte
    • Solaris
    • Her
    • O Predestinado (sobre viagem no tempo)
    • Morgan
  • TWITSTS / PSICOLOGICOS
    • Man From Earth
    • Coherence
    • Sliding Doors
    • Corra Lola Corra
    • Vanilla Sky
  • DRAMA FELIZ
    • Forrest Gump
    • Big Fish
    • Truman’s Show
    • Quem Quer ser um Milionário
    • Duets
    • Assassinato em Gosford Park
  • DRAMA NEUTRO
    • Elle
    • Clube da Luta
    • Amadeus
    • Laranja Mecânica
    • Doze Homens e Uma Sentença
    • Sexto Sentido
    • Dogville
    • Manderlay
    • O Nome da Rosa
    • The Green Mile
    • Náufrago
    • Crash
    • Prenda-me se for capaz
    • O Expresso da Meia Noite
    • Pollock
    • Uma Mente Brilhante
    • Vitus
    • Genio Indomavel
    • Gangues de Nova York
    • Billy Elliot
    • O Poderoso Chefao
    • Um Sonho de Liberdade
    • Lady in the Water
    • Fragmentado
    • Entrevista com o Vampiro
    • O Labirinto do Fauno
    • Patch Adams
    • Bastardos Inglórios
    • Sinais
    • The Adjustment Bureau
    • Ruby Sparks
    • Meu nome é Radio
    • Miss Meadows
    • Fracture
    • Inimigo do Estado
    • Entrevista com o Vampiro
  • DRAMA INSPIRADOR
    • Into the Wild
    • Captain Fantastic
    • Carruagens de Fogo
    • Sociedade dos Poetas Mortos
    • Karatê Kid
    • Sideways
    • Chef
    • Boyhood
    • The World’s Fastest Indian
    • The Bucket List
    • 21
    • Crossroads
    • Hector and the Search for Happiness
    • Spare Parts
    • O Céu de Outubro
    • McFarland USA
    • Disney, antes do Mickey
    • 127 horas
    • Walter Mity
  • DRAMA TRISTE
    • A Vida é Bela
    • A Encantadora de Baleias
    • Edward Mãos de Tesoura
    • Em Busca da Felicidade
    • Brilho Eterno de Uma mente sem lembranças
    • Perfume de Mulher
    • Menina de Ouro
    • Little Miss Sunshine
    • Philadelphia
    • Sangue Negro
    • A Árvore da Vida
    • Seven Pounds
    • Lost in Translation
    • Blindness
    • Álbum de Família
  • SENSUAIS
    • Lolita
    • Instinto Selvagem
  • SUSPENSE / VIOLÊNCIA
    • O Silencio dos Inocentes
    • Seven
    • O Cubo
    • Hostel
    • Ninfomaníaca
    • Ilha do Medo
    • Laranja Mecânica
    • Irreversível
  • COMÉDIA
    • Se Beber Não Case
    • Os Mercenários 1 e 2
    • O Auto da Compadecida
    • MIB 1
    • American Pie
    • Esqueceram de Mim
  • POLICIAL
    • O Poderoso Chefão
    • Identidade Bourne
    • Chacal
    • Tropa de Elite
    • Cidade de Deus
    • Traffic
    • Os Infiltrados
    • Snatch
    • 2 Canos Fumegantes
  • FAROESTE
    • Maverick
    • Dança com Lobos
  • TERROR
    • O Exorcista
    • Os Outros
    • A Bruxa de Blair
    • Jogos Mortais
    • A Hora do Pesadelo
    • Um Lobisomen Americano em Londres
    • Atividade Paranormal
    • Carrie a Estranha
    • It Follows
    • A Chave Mestra
  • SESSAO DA TARDE
    • Os Goonies
    • De Volta pra o Futuro
    • Sherlock Holmes
    • A Lagoa Azul
    • Robocop
    • Indiana Jones
    • Missão Impossível
    • Rambo
    • Platoon
    • Os Caça-Fantasmas
    • Curtindo a Vida Adoidado
    • Mad Max
    • 21 gramas
    • Wayne’s World
    • O Ultimo Dragão Branco
    • ET
    • Corcel Negro
    • Gremlings
    • Ewoks
  • ROMANCE
    • Antes do Amanhecer
    • O Lado Bom da Vida
    • A Good Year
    • Don Juan
    • Nothing Hill
    • Uma Linda Mulher
    • Hitch
    • Ghost
    • About Time
    • Efeito Borboleta
    • Titanic
    • Seeking a Friend for the End of the World
    • De Repente é Amor
    • Os Agentes do Destino
  • SERIES
    • Lost
    • Battlestar Gallactica
    • Serenity / Aeon Flux
    • Guerra dos Tronos
    • The Walking Dead
    • Jericho
    • Rome
    • Spartacus
    • House
    • Heroes
    • Vikings
    • The Americans
    • Band of Brothers
    • Suits
    • Stranger Things
    • Halt and Catch Fire
    • Silicon Valley
    • Breaking Bad
    • Better Call Saul
    • The Knick
      House of Cards
  • SUPER HEROIS
    • Batman
    • X-Men
    • Transformers
    • Homem de Ferro
  • HISTORICOS
    • Hotel Ruanda
    • A Lista de Schindler
    • Diarios de Motocicleta
    • A Queda
    • A Paixão de Cristo (em aramaico…)
    • A Rede Social
    • Piratas do Vale do Silício
    • A Grande Aposta
    • Clube de Compras Dallas
    • Amistad
    • (o dos negros se revoltando com greve de onibus nos eua…)
  • DESASTRES
    • 28 Days Later
    • The Happening
    • Extermínio
  • ESPORTES
    • Homens Brancos não sabem enterrar
    • Blue Chips
    • O Campo dos Sonhos
    • (o do nadador…)
    • Invictus
  • NACIONAIS
    • Dois Coelhos
    • Tropa de Elite 1
    • Cidade de Deus
    • O Auto da Compadecida
    • O Homem que Copiava
    • Meu Tio Matou um Cara
    • Cidade dos Homens
    • Durval Discos
    • Dois Filhos de Francisco

25 dezembro 2016

Era

Esperas - e eu te espero
Quimera
E eram eras do teu enfado
Quireras
Austera fera
E zeras tua pontuação ao meu lado


-- João Otero - 23-dez-2016 --

30 outubro 2016



Aos anos
deixamos para ver o que é que fica
mas veja
que só fica o que deixamos
ao deixarmos mágoa, multiplica
e se era tão bom, por que paramos?




-- João Otero - 30-out-2016 --

22 outubro 2016

Borboleta


nao deixarei que essa borboleta
recém expulsa de um casulo triste
entretenha olhares vãos e famintos
não é de beleza, não confunda
suas bordas com paixão
seu bater aflito, essa dança
é uma ilusão só minha
e morrerá exausta em poucos dias
não lhe detenha o olhar
nem reze
veja-a no chão
que bela!

-- João Otero - 22-out-2016 --

Autofágico


Me olharam no fundo dos olhos as coisas lindas
Me riram sorrisos mais rasos as coisas fracas
Sobrei como um sopro e deitado nas coisas mortas
Sonhei a tristeza abafada das coisas tortas
Segui sem saber se ficava com as velhas coisas
Ou com as coisas novas
Que tanto do mesmo de sempre
Daquelas coisas 
Me falam agora



-- João Otero - 7-out-2016 --

19 outubro 2016

Vírgula



Foi só uma vírgula...
Ainda tem frase
Ainda tem crase
Ainda tem prosa, ainda tem prosa...
Ainda tem rima
Ainda tem clave
Ainda tem nota
Aquela vírgula,
Foi só uma rima torta
Foi só uma pausa
Ainda tem prosa
Ainda tem rosa


-- João Otero - 19-out-2016 --

17 outubro 2016

As rosas são pequenos frascos de loucura
Viste?!
Saí pra ser feliz
E voltei triste...
A alegria se escondeu
bem na ponta do nariz
Mas ora, tu não viste?
Voltei como se triste
E me refiz
Agora, já voltei
A ser feliz
Essa água no meu rosto
É chuva fina, é só um cisco, é quase nada...
Insiste o contorno dos lábios
Sorrindo na cara inchada
A água salgada escorre,
esvai-me e some
Mas na boca persiste
O sorriso de um homem
E um sorriso é sempre alegre
Mesmo quando ainda triste
Viste?
Saí pra ser feliz
E sou feliz!
Mesmo que triste

-- João Otero - 17-out-2016 --

22 setembro 2016

Mestres e Pérolas


Versos Íntimos

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

— Augusto dos Anjos —
( o primeiro poema que eu gostei na vida)



INVICTUS
Out of the night that covers me,
Black as the Pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.
In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.
Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.
It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.
-- William Ernest Henley --

Transit

Tu és dona de mim, tu me pertences,
e, neste delicioso cativeiro,
não queres crer que, ingrato e bandoleiro,
possa eu noutra pensar, ou noutro penses.

Doce cuidado meu, não te convences
de que tudo na terra é passageiro,
frívolo, fútil, rápido, ligeiro,
e a pertinácia do erro teu não vences!

Num belo dia - hás de tu ver - desaba
esta velha afeição, funda e comprida,
que tanta gente nos inveja e gaba...

Choras? Para que lágrimas, querida?
Naturalmente o amor também se acaba,
como tudo se acaba nesta vida.


-- Artur Azevedo --


Via Láctea

Ora ( direis ) ouvir estrelas!
Certo, perdeste o senso!
E eu vos direi, no entanto
Que, para ouví-las,
muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto 

E conversamos toda a noite,
enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto,
Cintila.
E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas?
Que sentido tem o que dizem,
quando estão contigo? "

E eu vos direi:
"Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e e de entender estrelas

— Olavo Bilac —


Quem passou a vida em brancas nuvens
E em plácido repouso adormeceu,
Quem não sentiu o frio da desgraça,
Quem passou pela vida e não sofreu
Foi espectro de homem, não foi homem,
Só passou pela vida, não viveu.

— Francisco Octaviano —


O Ciúme

Minha melhor lembrança é aquele instante no qual
Pela primeira vez, me entrou pela retina
Tua silhueta, provocante e fina
 Como um punhal
Depois, passaste a ser unicamente aquela
Que a gente se habitua a achar apenas bela
E que é quase banal.
 E agora que te tenho em minhas mãos e sei
Que os teus nervos se enfeixam todos em meus dedos
E os teus sentidos são cinco brinquedos
Com que brinquei
Agora que não mais me és inédita;  agora
 Que eu compreendo que, tal como te vira outrora
Nunca mais te verei
 Agora que de ti, por muito que me dês
Já não podes dar a impressão que me deste
A  primeira impressão, que me fizeste
Louco talvez
Tenho ciúme de quem não te conhece ainda
E cedo ou tarde  te verá, pálida e linda
Pela primeira vez.

— Guilherme de Almeida —


Poeminha do Contra

Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

— Mário Quintana —


Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

— Vinícius de Moraes —


Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

— Vinícius de Moraes —


Soneto de Separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

— Vinícius de Moraes —


São Demais os Perigos Desta Vida

São demais os perigos desta vida
Pra quem tem paixão principalmente
Quando uma lua chega de repente
E se deixa no céu, como esquecida

E se ao luar que atua desvairado
Vem se unir uma música qualquer
Aí então é preciso ter cuidado
Porque deve andar perto uma mulher

Deve andar perto uma mulher que é feita
De música, luar e sentimento
E que a vida não quer de tão perfeita

Uma mulher que é como a própria lua:
Tão linda que só espalha sofrimento
Tão cheia de pudor que vive nua




— Vinícius de Moraes —


LXVI

No te quiero sino porque te quiero
y de quererte a no quererte llego
y de esperarte cuando no te espero
pasa mi corazón del frío al fuego.

Te quiero sólo porque a ti te quiero,
te odio sin fin, y odiándote te ruego,
y la medida de mi amor viajero
es no verte y amarte como un ciego.

Tal vez consumirá la luz de enero,
su rayo cruel, mi corazón entero,
robándome la llave del sosiego.

En esta historia sólo yo me muero
y moriré de amor porque te quiero,
porque te quiero, amor, a sangre y fuego.

— Pablo Neruda —


Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

— Fernando Pessoa —


Poeminha Sentimental

O meu amor, o meu amor, Maria
É como um fio telegráfico da estrada
Aonde vêm pousar as andorinhas...
De vez em quando chega uma
E canta
(Não sei se as andorinhas cantam, mas vá lá!)
Canta e vai-se embora
Outra, nem isso,
Mal chega, vai-se embora.
A última que passou
Limitou-se a fazer cocô
No meu pobre fio de vida!
No entanto, Maria, o meu amor é sempre o mesmo:
As andorinhas é que mudam.

— Mario Quintana —


Das Utopias

Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

— Mario Quintana —


Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz.

— Vinícius de Moraes —


Bem no fundo
No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto
a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo
extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais
mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas.

— Paulo Leminski —


Congresso Internacional do Medo

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte,
depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.

— Carlos Drummond de Andrade —


Psicologia de um Vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância…
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme – este operário das ruínas -
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

— Augusto dos Anjos —


Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

— Cecília Meireles —


Velho

Estás morto, estás velho, estás cansado!
Como um suco de lágrimas pungidas
Ei-las, as rugas, as indefinidas
Noites do ser vencido e fatigado.
Envolve-te o crepúsculo gelado
Que vai soturno amortalhando as vidas
Ante o repouso em músicas gemidas
No fundo coração dilacerado.
A cabeça pendida de fadiga,
Sentes a morte taciturna e amiga,
Que os teus nervosos círculos governa.
Estás velho estás morto! Ó dor, delírio,
Alma despedaçada de martírio
Ó desespero da desgraça eterna.

— Cruz e Souza —


Morte e Vida Severina
      (…)

— João Cabral de Melo Neto —


Amor é um Fogo que Arde sem se Ver

Amor é um fogo que arde sem se ver; 
É ferida que dói, e não se sente; 
É um contentamento descontente; 
É dor que desatina sem doer. 

É um não querer mais que bem querer; 
É um andar solitário entre a gente; 
É nunca contentar-se de contente; 
É um cuidar que ganha em se perder; 

É querer estar preso por vontade; 
É servir a quem vence, o vencedor; 
É ter com quem nos mata, lealdade. 

Mas como causar pode seu favor 
Nos corações humanos amizade, 
Se tão contrário a si é o mesmo Amor? 

— Luís Vaz de Camões —


The Road Not Taken

Two roads diverged in a yellow wood,
And sorry I could not travel both
And be one traveler, long I stood
And looked down one as far as I could
To where it bent in the undergrowth;


Then took the other, as just as fair,
And having perhaps the better claim,
Because it was grassy and wanted wear;
Though as for that the passing there
Had worn them really about the same,

And both that morning equally lay
In leaves no step had trodden black.
Oh, I kept the first for another day!
Yet knowing how way leads on to way,
I doubted if I should ever come back.


I shall be telling this with a sigh
Somewhere ages and ages hence:
Two roads diverged in a wood, and I —
I took the one less traveled by,
And that has made all the difference.

-- Robert Frost --



Bochincho

A um bochincho - certa feita,
Fui chegando - de curioso,
Que o vicio - é que nem sarnoso,
nunca pára - nem se ajeita.
Baile de gente direita
Vi, de pronto, que não era,
Na noite de primavera
Gaguejava a voz dum tango
E eu sou louco por fandango
Que nem pinto por quireral.

Atei meu zaino - longito,
Num galho de guamirim,
Desde guri fui assim,
Não brinco nem facilito.
Em bruxas não acredito
'Pero - que las, las hay',
Sou da costa do Uruguai,
Meu velho pago querido
E por andar desprevenido
Há tanto guri sem pai.

No rancho de santa-fé,
De pau-a-pique barreado,
Num trancão de convidado
Me entreverei no banzé.
Chinaredo à bola-pé,
No ambiente fumacento,
Um candieiro, bem no centro,
Num lusco-fusco de aurora,
Pra quem chegava de fora
Pouco enxergava ali dentro!

Dei de mão numa tiangaça
Que me cruzou no costado
E já sai entreverado
Entre a poeira e a fumaça,
Oigalé china lindaça,
Morena de toda a crina,
Dessas da venta brasina,
Com cheiro de lechiguana
Que quando ergue uma pestana
Até a noite se ilumina.

Misto de diaba e de santa,
Com ares de quem é dona
E um gosto de temporona
Que traz água na garganta.
Eu me grudei na percanta
O mesmo que um carrapato
E o gaiteiro era um mulato
Que até dormindo tocava
E a gaita choramingava
Como namoro de gato!

A gaita velha gemia,
Ás vezes quase parava,
De repente se acordava
E num vanerão se perdia
E eu - contra a pele macia
Daquele corpo moreno,
Sentia o mundo pequeno,
Bombeando cheio de enlevo
Dois olhos - flores de trevo
Com respingos de sereno!

Mas o que é bom se termina
- Cumpriu-se o velho ditado,
Eu que dançava, embalado,
Nos braços doces da china
Escutei - de relancina,
Uma espécie de relincho,
Era o dono do bochincho,
Meio oitavado num canto,
Que me olhava - com espanto,
Mais sério do que um capincho!

E foi ele que se veio,
Pois era dele a pinguancha,
Bufando e abrindo cancha
Como dono de rodeio.
Quis me partir pelo meio
Num talonaço de adaga
Que - se me pega - me estraga,
Chegou levantar um cisco,
Mas não é a toa - chomisco!
Que sou de São Luiz Gonzaga!

Meio na volta do braço
Consegui tirar o talho
E quase que me atrapalho
Porque havia pouco espaço,
Mas senti o calor do aço
E o calor do aço arde,
Me levantei - sem alarde,
Por causa do desaforo
E soltei meu marca touro
Num medonho buenas-tarde!

Tenho visto coisa feia,
Tenho visto judiaria,
Mas ainda hoje me arrepia
Lembrar aquela peleia,
Talvez quem ouça - não creia,
Mas vi brotar no pescoço,
Do índio do berro grosso
Como uma cinta vermelha
E desde o beiço até a orelha
Ficou relampeando o osso!

O índio era um índio touro,
Mas até touro se ajoelha,
Cortado do beiço a orelha
Amontoou-se como um couro
E aquilo foi um estouro,
Daqueles que dava medo,
Espantou-se o chinaredo
E amigos - foi uma zoada,
Parecia até uma eguada
Disparando num varzedo!

Não há quem pinte o retrato
Dum bochincho - quando estoura,
Tinidos de adaga - espora
E gritos de desacato.
Berros de quarenta e quatro
De cada canto da sala
E a velha gaita baguala
Num vanerão pacholento,
Fazendo acompanhamento
Do turumbamba de bala!

É china que se escabela,
Redemoinhando na porta
E chiru da guampa torta
Que vem direito à janela,
Gritando - de toda guela,
Num berreiro alucinante,
Índio que não se garante,
Vendo sangue - se apavora
E se manda - campo fora,
Levando tudo por diante!

Sou crente na divindade,
Morro quando Deus quiser,
Mas amigos - se eu disser,
Até periga a verdade,
Naquela barbaridade,
De chínaredo fugindo,
De grito e bala zunindo,
O gaiteiro - alheio a tudo,
Tocava um xote clinudo,
Já quase meio dormindo!

E a coisa ia indo assim,
Balanceei a situação,
- Já quase sem munição,
Todos atirando em mim.
Qual ia ser o meu fim,
Me dei conta - de repente,
Não vou ficar pra semente,
Mas gosto de andar no mundo,
Me esperavam na do fundo,
Saí na Porta da frente...

E dali ganhei o mato,
Abaixo de tiroteio
E inda escutava o floreio
Da cordeona do mulato
E, pra encurtar o relato,
Me bandeei pra o outro lado,
Cruzei o Uruguai, a nado,
Que o meu zaino era um capincho
E a história desse bochincho
Faz parte do meu passado!

E a china - essa pergunta me é feita
A cada vez que declamo
É uma coisa que reclamo
Porque não acho direita
Considero uma desfeita
Que compreender não consigo,
Eu, no medonho perigo
Duma situação brasina
Todos perguntam da china
E ninguém se importa comigo!

E a china - eu nunca mais vi
No meu gauderiar andejo,
Somente em sonhos a vejo
Em bárbaro frenesi.
Talvez ande - por aí,
No rodeio das alçadas,
Ou - talvez - nas madrugadas,
Seja uma estrela chirua
Dessas - que se banha nua
No espelho das aguadas!

-- Jayme Caetano Braun --